Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2009

Folha -33b

Subir ao Monte Parnaso - o Monte Farinha

Por: Costa Pereira.

          Aonde quer que vá parar em tempo de férias costumo sempre idealizar um ou dois arrazoados de circunstância para depois publicar em qualquer jornal da região visitada, quando não num daqueles já habituados à minha desajeitada prosa.

          Este ano alapei-me uma vez mais junto da duna e mar remexido do velho arrais ti Mira, o lobo da onda que, segundo Aquilino, era o "tipo acabado do antigo fenício sóbrio e aventureiro". Cada vez mais familiarizado com a geografia humana, histórica e paisagística deste recanto leiriense que o silencio poético do Lis e a suave brisada Mata do Urso cala para dar voz ao vaivém da salgada espuma e cantarolar da cigarra, engendrei um artiguelho sobre a Bajouca e outro sobre terras da Sertã cuja publicação confiei sucessivamente ao semanário de Leiria, O Mensageiro, e ao quinzenário bombarralense, Noticias do  Bombarral; sobrando ainda espaço para redigir o presente parecer que a leitura de um qualificado trabalho de Jaime Cortesão pede a respeito da região de Basto.

          "Quem vai para o mar, aparelha-se em terra", ensinou-me o "Zé Cego" do Pedrogão, a utilizar a máxima. Ora eu que vim, como viram, disposto a não tostar demasiado a pele ou perder a mobilidade cerebral devido à inércia física; tive, para evitar contágios, que me imunizar adequadamente com a exigida terapêutica duma boa leitura, por acaso descoberta no relato descritivo duma viagem de sonho desde o Velão a Gatão, guiado pelo filho mais ilustre da terra dos Cantanhedes e que nas Fisgas se perdeu... 

          Com todo o gosto e admiração acompanhei o mestre no passeio idílico que com o poeta brasileiro Murilo Mendes, o Homem de Ançã fez por volta de 1960 a terras de Santa Senhorinhha e a pressa de ir levar lágrimas e flores à campa do Poeta do Marão projudicou no essencial, ao passar distraido pela base do mais majestoso relevo paisagistico da região de Basto sem lhe observar o porte e tecer uma referência. A fim de encontrar esta incompreensivel omissão precisei de pôr as minhas faculdades mentais em cuidada actividade até encontrar pela lógica justificação explicativa para a miopia e desatenção de tão apurado retratista da terra e do homem português.  Penso que descobri a razão da falta cometida pelo insegne historiógrafo e daí lhe desculpar a irreverência para com o Monte Farinha.  

          Quem de terras distantes entra pela primeira vez as fronteiras de Basto só fazendo-o pelo lado de Fafe ou Amarante dá de caras imediatamente com aquele assombroso cone

orográfico que entre o Tâmega e Cabril se afunila em direcção ao ceu para atingir os quase mil metros de altitude, e como prémio lá no cume sustentar erguida por coroa e feudo seu a ermida do Monte Farinha. Não foi este o trajecto escolhido por Jaime Cortesão quando, pelo Velão, maravilhado viu surgir no panorama paisagistico o aspecto símile de Delfos e, atraido pelo encanto, deu consigo nas arrepiantes Fisgas de Ermelo, que parece lhe atrofiaram o sistema de retenção memorial, visto ficar sem capacidade para fixar o nome do  rio OLO como da transcrição se percebe: "No caminho para Mondim de Basto, da ponte sobre o Culo, avista-se ao fundo a longa cascata, em que o rio cai da serra do Porco. Nos primeiros dias de Maio, engrossada pelas chuvas da invernia a cascata assume uma selvática majestade. Mete-se pela estrada florestal à direita; o automóvel pára a 200 metros das Fisgas, estranha panóplia de longas lanças de xisto, varanda rústica sobre que é preciso arrastar-se para admirar a cascata". Não fora trocar o nome do rio e de ter inventado à origrafia local mais um topónimo (porco) a descrição tinha jus a figurar gravada a letras de ouro na polida "fraga amarela", assim apenas mereceu o meu comentário.  

          Perturbado pela espectacular visão da Cabrilada e ânsia de respeitar  projectos agendados, o forasteiro ilustre retoma viagem pelo vale do Olo até próximo de Paradança donde ensombrado pelos montes do Toumilo passou alheio ao relevo que ali começa a ver-se crescer em cone. Não asseguro, mas tenho a impressão que, fascinado, só acordou quando de costas para Trás-os-Montes deu consigo fora do mágico cenário donde acabou de sair "De Mondim de  Basto para Amarante por Fermil e Celorico, à beira do Vale uberrimo do Tâmega, estamos de novo em pleno Minho, numa estrada báquica , ladeada pelos tirsos verdes das uveiras, e donde, de quando em quando, correm bandos de perdigotos, maçarocas ainda mal pintadas, a escorregar-se no mato".

          O maravilhoso circuito turistico tinha por objectivo homenegear a Serra do Marão e o seu Poeta, Teixeira de Pascoais; mas este, como eu, lamenta que os seus amigos tenham descoberto a Delfos portuguesa sem subir ao monte Parnaso, o Monte Farinha.

In O POVO de BASTO, de Novembro de 1991.

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»».

JUNTA de FREGUESIA de

VILAR de FERREIROS

Deseja aos seus conterrâneos

BOM NATAL e FELIZ ANO de 1992. 

publicado por aquimetem às 17:25
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

16
17
18
19

20
21
22
23
24
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Folha Informativa do GFRV

. Folh-33d

. Folha -33b

. Folha-33c

. Folha-33

. Folha-32b

. Folha-32

. Folha-32c

. Folha-32d

. Folha-31b

.arquivos

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. paula-travelho

. Boletim ou Folha - 1

. Bodas de Prata duma Prela...

. O valor a quem o tem !

. Razões para uma escolha

. Os manos

. BTT- Fisgas de Ermelo - S...

. Coisas que não esquecem

. Errar é próprio do homem

. Laranjeiras

blogs SAPO

.subscrever feeds